sábado, 3 de dezembro de 2016

Porquê a água da chuva é melhor que a da torneira

Dando seqüência aos posts diários, hoje vamos falar um pouco sobre violetas e regas. Já fiz um post bastante completo sobre elas, para ler clique aqui.

Estou fazendo uma experiência e gostaria de compartilhar com vocês. Tenho alguns vasinhos de violetas já a alguns meses e ainda não replantei. Elas estão muito feias, mesmo adubando, deixando meia sombra e regando de acordo com o que é apregoado, isto é, sem molhar as folhas, mas sempre deixar o substrato úmido, pois elas gostam de umidade. Recomendo muito a leitura do post que deixei linkado acima pois tem todas essas informações.


Uma das minhas violetas. Ela acabou de florescer. Apesar das folhas estarem com formato bonito, estão amareladas.



Mesmo já tendo pesquisado muito e até indicado como replantar naquele post, ainda tenho dúvidas de qual melhor substrato usar. Nos EUA eles vendem a mistura já pronta, assim como para cactos e suculentas. Entre outras coisas há turfa e vermiculita no meio, o que deixa o solo bem aerado, que é o de que elas gostam. No Brasil descobri recentemente este substrato, ainda não testei, mas pretendo em breve e reporto pra vocês.

Para aprender mais sobre substratos, veja este post.

Acontece que pra mim a água da chuva é o melhor adubo e remédio para as plantas. Tanto pelos motivos químicos da sua composição como também por seus fluídos magnéticos... aí já é outra história! Então resolvi colocar as violetas para tomarem todas essas chuvas de verão. Pelo menos por um tempo.

Outra violeta já bonitinha depois de ter tomado duas chuvas

Eu sou do princípio de que a gente tem que cultivar as plantas com o máximo de proximidade com seu habitat natural.  E se na natureza a bendita toma chuva, porque cargas d´água ela não pode tomar no nosso jardim? É preconizado que ela não gosta de água nas folhas... mas gente, na natureza elas tomam! O que acontece é que elas são plantas que ficam em ambientes meio sombreados, sem luz direta, assim o sol não queima as folhas, que se estiverem molhadas cozinham.


Local sombreado onde as violetas estão tomando chuva. É um tronco de árvore podado que fica debaixo do meu pé de amora.

O que acontece é que a água da torneira tem muito cloro e outras substâncias que as plantas não toleram. Por isso vão ficando feias e às vezes por mais que você replante e adube, não vê muito resultado. Regar com água mineral? Não, pois os minerais concentrados contidos dela também podem definhar a planta. Muito menos destilada porquê não serve pra regas, elas tem que conter outros compostos. A melhor forma é a água descansada por pelo menos 48 horas ou água da chuva que você pode armazenar.


Essa tá meio feia, mas depois de ter tomado duas chuvas está melhor. Devia ter tirado foto de antes de colocá-las aí!

A experiência está indo bem. Elas estão mais bonitas e vigorosas. Mas porque afinal as plantas gostam tanto de água da chuva? Pesquisando, descobri que além de não ter íons de cloro, magnésio e flúor, ela é rica em azoto, e por isso elas crescem bastante depois das chuvas. Mas o que é azoto?

O azoto é outro nome dado para o nitrogênio, tão nosso conhecido na jardinagem. O problema é que esse nitrogênio está como molécula solta na água da chuva e nesse estado ele é inerte. Apesar de ser a molécula mais abundante na atmosfera, sem uma ligação química com o hidrogênio por exemplo, formando os nitratos na forma que as plantas podem absorver, as plantas não o absorverão das chuvas mas as bactérias do solo sim, tornando disponível para as raízes os nutrientes necessários ao seu bom crescimento.


Mais algumas das minhas violetas na sua UTI natural

"Se houverem relâmpagos ainda melhor, já que estes irão fornecer a energia necessária para converter as moléculas de oxigênio e azoto em nitratos que reagirão com a chuva e formarão uma solução fraca de ácido nítrico que chegará às plantas através da água e que estas conseguem absorver, potenciando o seu crescimento." (Fonte)

CICLO DO NITROGÊNIO


Fonte


"A conversão do azoto, que forma cerca de 80% da atmosfera, em nitratos (uma forma disponível para as reações biológicas) é a chamada fixação do azoto, um processo crucial para todos os ecossistemas do planeta. De todos os organismos existentes no planeta, somente alguns gêneros bacterianos são capazes de fixar o azoto atmosférico, nomeadamente as simbióticas Rhizobium e Bradyrhizobium, que formam nódulos nas raízes de leguminosas. Para além deles, um outro grupo de bactérias filamentosas (actinomicetes) também forma nódulos, mas em árvores, arbustos e algumas ervas perenes, contribuindo igualmente para a acumulação de azoto no solo. Muitas outras bactérias vivem regularmente associadas a raízes e folhas de plantas, onde aproveitam o exsudado glicídico da fotossíntese e fornecem azoto em formas utilizáveis. (...) Várias outras bactérias são capazes de reverter o processo – desnitrificação -, convertendo nitratos a nitritos e a amônia, levando eventualmente a azoto, que se liberta do solo e regressa à atmosfera. O metabolismo de azoto é crucial para a vida na Terra, como se verá, e outros procariontes têm papel semelhante nos ciclos do enxofre e do carbono."
(Fonte

Então é isso gente. Por enquanto as violetas estão felizes e em breve volto com mais notícias. Abaixo dois vídeos muito bons com dicas sobre elas, mas em inglês:






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...