Violeta-africana: Tudo e muito mais do que você precisa saber

A violeta, mais conhecida como violeta-africana na verdade não é uma violeta verdadeira. Seu nome muito menos é violeta. E você já viu sementes de violeta? (vamos aqui chamá-la assim pra não ter confusão). Essas e outras coisitas más neste post.


Fonte



Agora decidi que quero ter uma coleção de violetas. (Quer ver quais já tenho e muitas outras das minhas plantinhas? Curta a fanpage no Facebook do blog na caixa aqui do lado esquerdo e siga meu Instagram na caixa aqui do lado direito). Já tive algumas mas não obtive muito sucesso. Por ser uma planta bem comum nas floriculturas e de preço bem acessível, achamos ser de fácil cultivo. Mas não é bem assim, assim como as suculentas não são plantas nada fáceis (é que sempre vejo matérias sobre suculentas falando que são plantas de baixa manutenção... quem faz coleção e cultiva seriamente sabe do que estou falando - aliás tenho um post sobre o assunto - clique aqui para acessar.

Pesquisei bastante e faço aqui um apanhado geral do que mais achei interessante. Quero dividir com vocês minhas descobertas, e vamos aprender juntos, pois a partir de agora vou colocar em prática o que descobri e mais pra frente faço outro post contando o resultado das minhas experiências, ok? Se você já tem experiência com essas plantinhas, por favor, não deixe se fazer seu comentário!


Fonte


Origem

Seu nome verdadeiro é Saintpáulia e  gênero de mesmo nome foi nomeado após o Barão Walter von Saint Paul - Illaire (1860-1910), comissário do distrito da província de Tanga, descobriu a planta em Tanganyika (agora Tanzânia) na África em 1892 e enviou sementes de volta para seu pai, um botânico amador na Alemanha. Dois entusiastas de plantas, Sir John Kirk e Reverendo W.E. Taylor, tinham anteriormente recolhido amostras e submetidas aos jardins botânicos reais em 1884 e 1887, respectivamente , mas a qualidade de amostras foi insuficiente para permitir uma descrição científica. Seu nome mais comum "violeta" se deve ao fato de que os primeiros exemplares encontrados eram desta cor e "africana", claro, porque vem da África. 

A violeta africana (Saintpaulia ionantha Wendl.) é uma espécie florífera perene pertencente à família Gesneriaceae (a mesma das gloxínias, achimenes e episcias), da qual existem perto de 125 gêneros e acima de 2.000 espécies conhecidas. Destas, aproximadamente 300 têm sido cultivadas. (Fonte)



Todas as espécies de Saintpaulia exigem sombra em seu habitat natural. Elas são geralmente litofílicas, ou seja, crescem em granito, rochas ou penhascos íngremes ao longo dos rios e riachos, ou como ervas na floresta. Geralmente crescem sobre os solos rasos em rochas ou em bolsões de húmus em afloramentos de rocha. Elas também têm sido observadas crescendo como epífitas (já fiz um post sobre elas aqui) nos troncos das árvores. São plantas sensíveis à seca. (Fonte)


Ao contrário do que se pensa, as plantas conhecidas como violetas-africanas nada têm a ver com as violetas verdadeiras (Viola odorata) da família da Violaceaes (Amor-perfeito e outras), originárias da Europa. Elas se parecem muito, mas as diferenças são fundamentais: as flores da Viola odorata são perfumadas e de cor roxo intenso; as folhas são ovais, lisas e apresentam uma haste longa; enquanto que a violeta africana não exala perfume, possui folhas aveludadas, com formato redondo e as flores são de cores variadas, além de não apresentarem nenhum valor medicinal, apenas decorativo. Fonte


Viola odorata, a violeta verdadeira
Fonte
 É uma espécie também em extinção.


A aparência com a nossa famosa flor amor-perfeito não é coincidência, pois são da mesma família botânica, Violaceae
Fonte

Fonte

As violetas africanas são floríferas perenes, ou seja, não são como as anuais, que depois da floração, produzem as sementes e morrem.



Primulina purpurea, bem parecida com a Saintpaulia, pertencente ao mesmo gênero botânico.
Fonte

E o que dizer ainda dos Streptocarpus? Também da mesma família da nossa querida violeta africana. (obs: surtando nas fotos que estou pesquisando pra por no post).


Fonte

Fonte
De acordo com alguns botânicos, apesar de pra nós ser uma planta bem comum, ela é uma das plantas mais raras do mundo, pois no seu habitat natural, na Tanzânia, ela é dificilmente vista (Fonte). E há ainda algumas espécies de Saintpaulia que já estão extintas.


Violeta-africana, ou Saintpaulia em seu habitat natural
Fonte

Um dos tipos de Saintpaulia.
Fonte

Um pouco sobre a violeta verdadeira: As Violaceae (violáceas) são uma família de Angiospermas (plantas com flor), pertencente à ordem Malpighiales. O grupo abrange cerca de 1100 espécies, e 23 gêneros. Suas flores são conhecidas como violetas (gênero Viola L.). Fonte


Fonte


Propagação da Saintpaulias


* Propagação tradicionalé feita através de folhas. Basta cortar o talo da folha bem perto da raiz por a enraizar na água ou direto no substrato.


Fonte

"As folhas devem ser colocadas ligeiramente fixadas sobre um substrato pasteurizado, composto de material do tipo casca de arroz carbonizada, pó de xaxim ou vermiculita de textura grossa, puros ou mistura. Esses materiais apresentam características de baixa densidade e elevada porosidade, retêm a umidade sem excesso e permitem boa aeração. As folhas devem ser posicionadas de maneira a não se tocarem e a permitir que o limbo receba luminosidade suficiente para a produção de elevada quantidade de mudas. Os produtores usualmente colocam-nas com uma pequena fração do pecíolo, fixadas no substrato ligeiramente inclinadas, formando um ângulo de 45º, ou, sem pecíolo, horizontalmente sobre o substrato."

Fonte

Propagação via semente

"A propagação dos cultivares* (os híbridos - saiba um pouco sobre híbridos aqui) de violeta é basicamente feita pela brotação na base do pecíolo das folhas, como já exposto. Novas mudas, porém, podem ser obtidas via semente, método eficiente para a criação de novos cultivares. Nesse caso, essas plantas apresentarão características diferentes dos paternais. Para a obtenção de sementes, é necessário realizar artificialmente a polinização das flores. Em nossas condições, a frutificação natural ocorre muito raramente."
*Cultivar é a designação dada a determinada forma de uma planta cultivada, correspondendo a um determinado genótipo e fenótipo que foi selecionado e recebeu um nome único e devidamente registrado(...). O cultivar deve apresentar em cultura(...) um conjunto único de características que o distinguam de maneira coerente de plantas semelhantes da mesma espécie. O termo foi criado pelo especialista em horticultura Liberty Hyde Bailey, que o derivou das palavras inglesas "cultivated" e "variety", "cultivado" e "variedade" (do latim: varietas culta), significando estritamente "variedade cultivada" de uma espécie vegetal. Fonte

Um dos milhares de tipos de cultivares de violeta africana
Fonte

"O primeiro passo consiste na escolha, entre os cultivares de que se dispõe, de duas plantas com características desejáveis, as quais devem ser identificadas com um número, a menos que seja conhecido o verdadeiro nome do cultivar. Uma delas será considerada progenitor feminino ou planta-mãe e receberá o pólen da outra planta, considerada progenitor masculino. Logo no início da abertura da flor, por medida de segurança, as anteras da planta feminina devem ser retiradas com a ajuda de uma pinça ou tesourinha."

Fonte

"Alguns dias após, quando as pétalas estiverem totalmente abertas e o estigma receptivo, colhem-se algumas anteras do progenitor masculino, abrindo-as com uma pinça sobre um pedaço de papel, pois são de difícil deiscência. Com o auxílio de um pincel, coletam-se os grãos de pólen e poliniza-se o estigma da planta escolhida, identificando-se com uma etiqueta o cruzamento e a data da polinização. Por convenção, o número ou nome da planta-mãe é sempre colocado antes da planta fornecedora de pólen, separados por X, que indica a realização de um cruzamento."

Imagine que legal ter seus próprios cultivares??? Abaixo detalhes das partes das plantas a serem manuseadas:

Fonte


"Uma ou duas semanas após, observa-se uma turgescência no ovário, indicando que a fertilização dos óvulos ocorreu, passando o fruto a se desenvolver lentamente. Nas condições de elevada temperatura e umidade predominante em nosso país, os frutos só chegam à maturação com um controle eficaz de podridões no pedúnculo ou no próprio fruto."

Fruto da Violeta-africana. A gente nunca vê pois quando as flores ficam feias costumamos logo cortar, além do que é preciso fazer a polinização manual.
Fonte
Frutos
Fonte
"Normalmente depois do quarto ou quinto mês de crescimento, pode-se notar, com o fruto contra a luz, que as sementes começam a maturar no seu interior. A partir desse momento, o fruto pode ser colhido; com a ajuda de uma pinça, ele é aberto e as sementes retiradas e imediatamente colocadas sobre o pó de xaxim peneirado e umedecido. O recipiente (bandeja, copo plástico ou vaso) deve ser coberto com um filme plástico para manter a umidade."

As pequenas sementes
Fonte

"Decorridas três semanas poderá ser observada a presença de pequenas plântulas com duas folhinhas redondas. Quinzenalmente, devem receber uma pequena cobertura de adubo foliar para preencher suas necessidades nutricionais. As plântulas podem permanecer nesse ambiente até atingir tamanho suficiente para o transplante."

Mudinhas através de sementes
Fonte

Substrato

"Para o transplante definitivo o substrato deve ser mais rico em nutrientes minerais que aquele utilizado na fase do desenvolvimento. Em 1987 pesquisadores realizaram testes com 5 tipos de materiais puros: pó de xaxim, palha de arroz carbonizada, sílica, vermiculita fina e vermiculita grossa; testaram também 5 substratos compostos de pó de xaxim+sílica, vermiculita fina+sílica, vermiculita+palha de arroz carbonizada, vermiculita grossa+pó de xaxim e palha de arroz carbonizada+areia grossa de barranco, sendo o último tratamento utilizado pelos produtores de violeta. O melhor substrato foi o pó de xaxim e, em seguida, os substratos mais leves, como as vermiculitas grossa e fina, palha de arroz carbonizada e suas misturas. A sílica se mostrou ineficiente na formação de mudas. O desenvolvimento foi maior na vermiculita grossa e depois na vermiculita fina."  Fonte
*Para saber sobre todos os tipos de substratos, já fiz um post sobre, é só clicar aqui.


Irrigação: Nos vasos definitivos, deve ser manual, evitando molhar folhas e flores. É preciso evitar irrigação excessiva, devido à suscetibilidade das plantas ao encharcamento e à proliferação de fungos de solo do que atacam as raízes e rapidamente destroem a planta. 


Principais pragas e doenças que atacam as violetas e como reconhecer


OBS: Para saber sobre cada tipo com foto, já fiz um post, clique aqui para acessar. Também tenho um post muito interessante sobre os insetos benéficos para seu jardim, clique aqui para acessar.

* Ácaros: dificilmente visíveis a olho nu, provocam o endurecimento da região central: as folhas novas se tornam mais pilosas, as flores se apresentam defeituosas e algumas não chegam a abrir-se.

*Trips: são muito pequenos (1-2 mm de comprimento; alojam-se dentro das flores, sugando a seiva elaborada e, em conseqüência, diminuindo a durabilidade da flor. 

*Cochonilhas: são visíveis a olho nu, branca, de aspecto pulverulento, e se acumulam na região central da planta, sendo controladas, como os pulgões, com inseticidas sistêmicos.

* Fungos: As principais moléstias - podridão das raízes, podridão das flores e oídio - são provocadas por fungos. O melhor método de controle é a pasteurização preventiva do substrato antes do plantio das mudas, pela passagem de vapor d'água através do substrato durante quinze-vinte minutos. Podridões das pétalas das flores poderão ocorrer em conseqüência do ataque do Botrytis cinerea, também conhecido como fungo-cinzento. A podridão se inicia geralmente no centro da flor, destruindo as pétalas e. em estágio mais avançado, pode atacar as folhas. O oídio se apresenta como pequenas manchas pulverulentas sobre as folhas, alastrando-se facilmente e acarretando amarelecimento da região atacada e, consequentemente, necrose. Fonte


Boa idéia um terrário com violetas.
Fonte

Outras violetas: 


Violeta alemã (Exacum affine)


Fonte

Tenho dela aqui na cor azul e é muito cheirosa. Fácil de achar nessa época do ano nas floriculturas. Mais info sobre ela aqui.


Violeta pendente (Achimenes grandiflora)


Fonte

Essa ainda não tenho, está na lista de querências. Mais sobre ela aqui.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...