quinta-feira, 3 de abril de 2014

Hibiscus acetosella, Hibiscus sabdariffa, Vinagreira, Flor da Jamaica

Olá pessoas queridas! Dei uma sumida né? Estou um pouco sobrecarregada com a pós-graduação e estudando pra concurso... mas claro sempre tenho um tempinho pra cuidar das plantinhas né? Mas aguardem pra semana que vem uma enxurrada de posts, pois vou ao Rio de Janeiro, ficarei 15 dias e visitarei muitos lugares legais e quero mostrar tudo para vocês, inclusive dicas de onde comprar plantinhas.

Então, vamos ao assunto de hoje. Vocês já ouviram falar da Flor da Jamaica? Quem é fã de Chaves e Chapolim (eu! rss) sabe do famoso episódio da "Água da Jamaica": 

Fonte
Sim, a famosa Água da Jamaica do episódio existe e é muito apreciada no México e outros países latinos. É feita com o fruto da flor da Jamaica Hibiscus sabdariffa L. No Brasil também chamado caruru azedo e quiabo roxo.

A flor da jamaica
Fonte


O fruto
Fonte

É usada em sucos, geléias, chás e muito mais. Também é considerada medicinal. Retirado do Blog Come-se:
"Originário da Ásia Tropical e África, o hibisco (ou ainda rosélia, pombola, azedinha e vinagreira) usado na culinária é diferente do hibisco ornamental. O que se come é esta parte carnuda - ou cálice para sermos mais botanicamente corretos. O fruto, deixa-se a secar para usar as sementes no próximo plantio. As folhas também se usam, principalmente no Maranhão, onde se faz com elas o arroz de cuxá, uma maravilha. Para preparar, não tem segredo. Lave bem, faça um cortinho de comprido e “descasque” o miolo. Use os cálices em chás, sucos, geléias, vinagretes, compotas, chutney, bolos, sugoli, sagu, gelatinas, sorvetes, picolés, recheios, etc. etc."

 
Fonte: Google images

Para ler mais sobre a Jamaica, recomendo os seguintes links do blog Come-se:

Matéria sobre Hibisco na coluna Paladar
Geléia de Hibisco
Suco de Bissap
Quentão de Hibisco
Sugoli e chá de hibisco
Secando Hibiscos
Hibisco saiu de moda
É tempo de hibisco

No Brasil acho difícil achar pra vender muda ou semente, é mais fácil conseguir com alguém ou comprando o hibisco seco em mercados. Eu consegui sementes em algumas trocas internacionais, e minhas mudinhas estão assim agora:




Muito bem, agora vamos falar da Vinagreira, é que é quase igual mas é diferente. Nome científico: Hibiscus acetosella. É até considerada em alguns lugares uma planta invasiva, pois se prolifera muito rápido, formando touceiras e dá muitas sementes. A minha peguei na rua, se propaga facilmente também por estacas. É usada como medicinal. Ah, interessante sobre esses hibicos todos é que as flores abrem pela manhã e a tarde já se fecham. Uma pena, pois são maravilhosas de se admirar! A foto abaixo é de uma que tive ano passado:



Dá pra ver que as folhas são parecidas com a Jamaica, mas da Vinagreira é bem roxa, muito bonita. Retirei partes de um texto neste site:

"A vinagreira roxa (Hibiscus acetosella Welw.) pertence à família Malvácea, é um arbusto de caule semi-lenhoso, que cresce até dez metros de altura, de cor roxa ou avermelhada, as folhas são hastes tenras mudam de uma cor borgonha brilhante e quando mais novas para um verde-escuro quase negro de cor cinza. (...) É uma planta comestível utilizada em vários continentes e cultivada comercialmente devido às propriedades medicinais, tem uso ornamental e têxtil (CULBERT, 2005). Sua introdução na Jamaica ocorreu no século XVIII, sendo muito popular como um aromatizante ácido. Chegou à Europa nos fins do século XIX como uma bebida refrescante, na sua cor vermelha forte, não muito apreciada. Atualmente faz parte da maioria dos chás aromáticos consumidos no continente europeu. No Brasil, essa hortaliça não é usada na culinária, são comuns nos jardins silvestres, hortas e ornamentação encontrada também em terrenos baldios. São atrativas para as abelhas, borboletas e aves. E no Estado do Maranhão para fins medicinais (RÊGO, 2010). (...)
A vinagreira roxa tem diversas indicações ainda sobre estudo, que variam conforme a parte da planta utilizada. As folhas são consideradas febrífugas, anti-hemorrágicas, estimulantes estomacais e fortificantes, O fruto é uma cápsula ovóide, de dois centímetros de comprimento, são usados na fabricação de xaropes e as flores possuem atividades antibacteriana e antifúngica. Foi constatada a presença de antocianinas nas flores, já nas folhas foram identificados os constituintes taninos, flavonóides, cumarinas, heterosídeos cardiotônicos e alcalóides (MARÇO, 2009). O chá do cálice da flor e considerado emoliente contém polissacarídeos em boas quantidades e, concentrações elevadas de flavonóides. As folhas podem ser utilizadas in natura em saladas, pelo o seu sabor cítrico, adicionadas também aos pratos cozidos e fritos. Rica em ferro, magnésio, cálcio e vitaminas A e C, contem fotoquímicos, altos teores de antocianinas, ácido tartárico, málico, cítrico e hibístico, fitosteróis, além de quantidade significativa de fibras alimentares. Por conter ácido oxálico, não pode ser consumida regularmente em grande quantidade."

Aqui as minhas mudinhas de vinagreira (parece com a Jamaica mesmo, mas as folhas são mais escuras):


Neste link mais sobre ela e sementes pra vender.

E agora temos essa variação abaixo que não sei bem a espécie, se alguém souber, por favor, fale nos comentários. É da nossa amiga Valéria, que tem trocado sementes dessa beleza com o Brasil todo, rss. Para fazer trocas entre no grupo do Facebook Plante Sementes e colha amizades. No meu ver essa é uma variação da vinagreira de flor roxa no qual os frutos não são comestíveis. A foto abaixo é da primeira flor da minha planta que veio das sementes da Valéria. Triste foi que peguei a flor quase fechando. Mas como é época da sua floração e ela ainda está pequena, teremos mais belas fotos.

Dá pra ver bem que a flor é idêntica à vinagreira da folha roxa, mas desta é bem mais escura e as folhas são verdes.

Esta foto é do jardim da Valéria, maravilhoso não?




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...